O dia em que Alice nasceu.

Esse foi o nascimento da Alice. Alice que já vimos sendo anunciada aqui, e já grandona na barriga da mamãe aqui. Já contei que a Cecília é uma cliente que virou amiga. Fotografei sua primeira filha, a Helena, nos seus 12 primeiros meses de vida. E nesses encontros mensais essa amizade foi se fortalecendo, e uma foi aprendendo com a outra, fomos trocando figurinhas e hoje posso falar que a considero uma grande amiga.
Tive o privilégio de ser convidada para fotografar o nascimento da Alice. Acho que esse acontecimento só veio fortalecer ainda mais o carinho que eu tenho por essa família. José Vitor, seu marido, é médico obstetra e tem sido um grande precursor do parto humanizado aqui em Ribeirão Preto, seja ele natural ou cesárea. Tem feito um lindo trabalho.
Cecília teve sua primeira filha de parto cesárea e desejava muito ter sua segunda filha pelo parto natural. Preparou-se para isso. Desejou muito isso. E lá fomos nós: marido-pai-obstetra, enfermeira-obstetra-doula-mãe-amiga (Thaiane) e eu, fotógrafa-mãe-amiga enfrentar essa luta junto com a Cecília. E foi uma luta e tanto. Chegamos no Hospital por volta das 5hs da manhã de terça-feira (25/11), ainda escuro, piscina inflável montada no meio do quarto, velas acesas, música, um ambiente muito gostoso. Lá ficamos nós 3 por muito tempo, compartilhando silêncio, compartilhando dor, olhares de incentivos e também risadas, bombons, conversas. Cecília já chegou com contrações bem fortes e doloridas. Enfrentava cada contração ali, firme, forte. E no intervalo entre uma e outra entrava num estado de repouso que chegava até a cochilar (e roncar!!! rs). E logo já se fortalecia e enfrentava mais uma contração. Ela estava determinada. Sabia o que queria. Poucas vezes reclamou. Ela entregou seu corpo, sem pudor, sem medo. Se abriu, se abriu para a dor. Encarou-a de frente.
E assim foi passando o dia… E após muita força, muita entrega e de verificar todos os sinais que Cecília e Alice estavam trazendo, decidiram-se pela cesárea pelo bem das duas. Essas duas guerreiras que se encontraram por volta das 19hs. E foi uma cesárea muito linda. O máximo de luz apagada, música, vontades da Cecília sendo atendidas e respeitadas, conversa gostosa entre os médicos/enfermeiros/paciente. E dessa forma muito respeitosa, Alice nasceu. Nasceu e foi direto para o colo da mãe. E ali permaneceu por muito tempo… sentindo o cheiro da mãe, sua pele, sua voz. E do Zé Vitor também, que ali, emocionado, não desgrudou das suas meninas. Colocou Alice para mamar no peito da mãe, a segurou, a enrolou, a acalmou…
Tudo muito emocionante. Para eles e para mim.
Vivi e aprendi coisas ali que jamais esquecerei. Entre elas a paciência, carinho e serenidade do Zé Vitor, a fortaleza e amizade da Thaiane, a leveza e bondade da Sol (pediatra), o respeito do Caio (obstetra que fez o parto junto com a Dra. Angela), a atenção de toda a equipe de enfermagem do Hospital São Paulo que os entendeu no propósito da Humanização do Parto, e por fim, a persistência, força e coragem da mãe Cecília, que desde o princípio soube escolher o melhor para sua filha.
Alice, seja bem-vinda. Você tem uma família maravilhosa.
Alice nasceu com 3,550kg e 50cm. Linda e saudável. E já fiquei sabendo que suga que é uma beleza!

pcecilia-3
pcecilia-5 pcecilia-6
pcecilia-8
pcecilia-10
pcecilia-12 pcecilia-13 pcecilia-14 pcecilia-15 pcecilia-16 pcecilia-17
pcecilia-19 pcecilia-20 pcecilia-21 pcecilia-22 pcecilia-23 pcecilia-24
pcecilia-26
pcecilia-28

pcecilia-31 pcecilia-32 pcecilia-33 pcecilia-34 pcecilia-35 pcecilia-36 pcecilia-37
pcecilia-39 pcecilia-40 pcecilia-41 pcecilia-42 pcecilia-43 pcecilia-44 pcecilia-45 pcecilia-46 pcecilia-47 pcecilia-48 pcecilia-49 pcecilia-50 pcecilia-51 pcecilia-52 pcecilia-53 pcecilia-54 pcecilia-55 pcecilia-56 pcecilia-57 pcecilia-58 pcecilia-59 pcecilia-60 pcecilia-61 pcecilia-62 pcecilia-63 pcecilia-64 pcecilia-65 pcecilia-66 pcecilia-67 pcecilia-68 pcecilia-69 pcecilia-70 pcecilia-71 pcecilia-72 pcecilia-73 pcecilia-74

2 pensamentos sobre “O dia em que Alice nasceu.

  1. Dani, palavras serão poucas para falar desse momento, no meu interior voltou os momentos que vivi no nascimento do Lucas e da Raíssa, são situações em que a emoção do pai, muito bem retratada nesse seu ensaio se afloram e dane-se as convenções, lagrimas de emoção afloram no seu rosto. Imagine para o Pai, um médico acostumado a trazer crianças mas que naquele momento estava ali fazendo o seu trabalho mas no fundo no fundo querendo ver o fruto do seu amor . Para a mãe, o esforço e toda a luta é pouca diante da visão de olhar o ser que ela carregou, que ela por 9 meses cuidou. Parando para respirar, Dani, que ensaio é esse, você se superou e tenho certeza para quem te conhece mexeu muito com você, pela sua sensibilidade e pela forma que enxerga uma família. Parabéns menina, a cada dia que passa você entra em novos desafios e mostra o seu talento.

  2. Pingback: Alice no seu primeiro mês de vida. | Daniela Grigoletto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: